.Eu

.pesquisar

 

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30
31

.Acabado de dizer

. o amor

. Cá por casa é tudo compli...

. Porque viver é mesmo assi...

. Março

. 2011

. PODIA SER DE UM FILME...

. PRENDINHAS DAS BOAS

. A NOSTALGIA DO NATAL

. A VIDA NÃO É FÁCIL...

. BIRRAS... COISA MAI LINDA...

.E já disse tanto...

. Julho 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2008

...

Questionada a minha negação, falta de vontade, de confiança ou lá o que for, em deixar o meu fofinho sozinho com a minha sogra, só tenho a dizer que:

 

- Tinha o meu bebé 3 meses e estava um bocadinho tapado, com muco no narizito (que lá ia saindo com os espirros) e a minha sogra vai de me assoar a criança com uma folha de rolo da cozinha. (Para que conste, os bebés dessa idade não se assoam, aspiram-se; nessa idade não sabem respirar pela boca, coisa que só começam a controlar perto dos 9 meses - eu não inventei isto, li!!)

 

- Um dia, com também poucos meses, tinha acabado de o deitar e fui lavar a loiça. Ela chegou, o menino acordou e começou a chorar. Como ela estava lá, assim como o o meu marido, disse-lhes para irem lá; continuei a ouvir o meu bebé a chorar, cada vez mais aflito. Como não se calava, sequei as mãos, chego ao quarto e vejo um pai aflito a olhar para o menino à espera que a mãe, "que percebe muito de crianças porque já criou filhos e sobrinhos", acalme o menino; ela a insistir a todo o custo que o meu filho aceite a chucha, coisa que nessa altura já todos sabiam que ele detestava. Porque é que não lhe pegou ao colo?? Afinal, meses depois acusou-me de não a deixar pegar no menino (coisa que realmente fiz, mas a toda a gente, se o meu filho estivesse a dormir, claro...) e nesse dia foi incapaz de o acalmar;

 

- Com 1/2 meses pegava-lhe, ele começava a choramingar e lá vinha ela " Ó pá já está a chorar... o que é que ele quer?". E eu tinha de saber o que era... é que bebés dessa idade não choram por desconforto, cansaço ou simplesmente por estar ao colo de alguém com um perfume fortíssimo!!!!

 

- Até falar comigo, a primeira que coisa que me perguntava assim que entrava em casa era "Tá a dormir?", e caso eu respondesse que sim, o que era a maioria das vezes, porque ainda hoje o pipoca é um dorminhoco, ficava amuada, dizia "Tá sempre a dormir!". Dela, do marido e da mãe dela ouvia sempre mimos destes, "Só faz é dormir", "Nunca tá acordado" e melhor ainda "Já o puseste a dormir outra vez??"... sim, claro que a culpa dele dormir muito era minha!

 

- Um dia chegou lá a casa e o pipoca estava a dormir... depois de fazer uma cara feia perguntou pela roupa que as cunhadas tinham mandado de França. Eu estava a lavar a fritadeira, de luvas e avental, então, e de forma a mostrar-lhe que entre nós ainda havia confiança (porque já a tinha notado diferente) disse-lhe "Olhe, estão no quarto do menino, no roupeiro". Era a única roupa de Inverno que ele tinha no roupeiro, ela sabia o tipo de peças que elas tinham mandado, portanto não era difícil. Chegou-me à cozinha com tudo na mão a perguntar se era aquilo, porque tinha que dizer às cunhadas se o tamanho estava bom. Estranhei... mas disse que sim e que eu já tinha visto que o tamanho estava bom... Mais tarde, fez as queixas ao marido, que depois me atirou à cara que fui incapaz de mostrar as roupas à minha sogra. Eu contei como tinha sido, ele respondeu que ela não adivinhava quais eram... expliquei que eram as únicas... calaram-se com ar de "Não nos convences"!

 

- Estando sozinha em casa, não abria a porta a ninguém quando estava a dar mama ou banho ao menino. Ela, tal como outros familiares, sabia disso, portanto quem queria esperava que depois eu ia sempre ver se ainda lá estavam. Ela nunca esperava mais de 1 minuto. Acusou-me de a deixar na rua com os vizinhos a ver. Eu expliquei-lha a razão e ela disse que respeitava mas não aceitava... mas quem respeita não aceita?? Também lhe disse que nesses momentos nem ao Papa abriria a porta. Respondeu-me em tom alto e de dedo em riste "Mas eu não sou o Papa. Sou a TUA SOGRA." Peço desculpa, mas ainda hoje isto me faz rir, de tão estúpido que é...

 

- Acusou-me de ter uma relação especial com a minha mãe e, por isso, ir sempre visitá-la... acusou-me de mentirosa e aldrabona, tendo a lata de mentir a olhar-me nos olhos, de me ouvir a repor a verdade e limitar-se a voltar-me as costas.

 

- Disseram ao meu marido, que se ele quisesse (ou seja, se me deixasse ou me mandasse fazer as coisas como eles queriam) teriam tudo deles, o dinheiro que fosse preciso...

 

- Quando resolveu falar do problema que estava a crescer entre as duas não veio ter comigo... foi fazer as queixas ao filho, que por sua vez veio chatear-se comigo...

 

- Com 8 meses, o pai levou-o a casa deles, e ela deu-lhe morangos... fruto que só se deve dar a partir do ano de idade, porque pode causar alergias!

 

- Há bolachas para a idade dele, também pode comer as Marias... e de vez em quando uma ou outra mais gulosa... ela insiste em dar-lhe bolachas de manteiga e até manda pacotes lá para casa....

 

Em resumo, fico por aqui. Aliás, bastava-me qualquer uma única destas razões para quebrar a minha confiança de mãe super galinha. O simples facto de questionarem constantemente e porem em causa a minha forma de educar o MEU filho é o suficiente para isso. A minha mãe, que é minha mãe..., tem que me ouvir e eu digo-lhe exactamente como quero que as coisas sejam feitas com o pipoca. Por vezes ela questiona, eu respondo, mas no essencial eu digo e ela aceita. Posso ser demasiado exigente, aceito que tenha a mania de que a ele eu faço melhor que os outros, mas gaita, é o meu filho!! Além disso, o facto de ouvir os elogios da médica de família ontem, que me disse que se notava que ele era feliz, saudável, bem criado, descontraído só me fez sentir bem comigo mesma, e nadinha de nada arrependida da minha exigência! Cada um é como cada qual... há mães exigentes e outras relaxadas, os filhos de umas não são nem melhores nem piores do que os das outras, por isso, haja bom senso e respeito, mesmo que não se concorde ou se pense que se faria de outra forma!

 

Eu sei marido, que tu não vais ler isto, pelo menos nos tempos mais chegados... também sei que não te respondi (com isto tudo) porque mais vale estar calada, se falar não muda nada! Quem sabe um dia me venhas a compreender...

 

sinto-me:
publicado por Antes assim... às 09:52

link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De JohnnyMary a 19 de Dezembro de 2008 às 11:02
Ai as sogras... realmente, mulher, com uma sogra assim... eu começava por não a deixar tratar-me por tu, afinal não és filha dela! E de facto, hilariante essa de ela não ser o papa, mas ser tua sogra :))))
Um dia o teu marido vai compreender, tem fé!

Beijocas
De Antes assim... a 19 de Dezembro de 2008 às 11:32
Obrigada... eu tenho essa esperança secreta de que ele um dia perceba, e o reconheça!!

Beijinhos

Comentar post

.links

.tags

. todas as tags