Lilypie Fourth Birthday tickers

.Eu

.pesquisar

 

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30
31

.Acabado de dizer

. o amor

. Cá por casa é tudo compli...

. Porque viver é mesmo assi...

. Março

. 2011

. PODIA SER DE UM FILME...

. PRENDINHAS DAS BOAS

. A NOSTALGIA DO NATAL

. A VIDA NÃO É FÁCIL...

. BIRRAS... COISA MAI LINDA...

.E já disse tanto...

. Julho 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Free Blog Counter

Quarta-feira, 15 de Dezembro de 2010

PODIA SER DE UM FILME...

Vou embora...

Dás-me um beijo?

Porque é que havia de te dar um beijo?

tags:
publicado por Antes assim... às 23:41

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Terça-feira, 14 de Dezembro de 2010

PRENDINHAS DAS BOAS

 A minha primeira prenda de Natal!

 Obrigada Bó Fá, sempre uma querida, sempre presente, mesmo comigo ausente...

Devia passar a 10 pessoas, eu sei, mas passo a quem quiser levar, porque é simplesmente adorável!

 

Beijo bom, e um Feliz e Doce Natal!

tags:
publicado por Antes assim... às 15:06

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

A NOSTALGIA DO NATAL

Eu adoro o Natal. Sim, eu sei que o Natal devia de ser todos os dias, que não se deve esperar por esta quadra para dar prendas, e distribuir amor e carinho, sei disso tudo e até nem preciso de estar à espera "dela" só para isso. Mas eu gosto do Natal. Gosto muito... gosto dos enfeites, gosto do frio, gosto do nevoeiro e do gelo, gosto do quentinho das casas, junto das lareiras.

Em pequena vivia a quadra com a grande expectativa das prendas. Mas agora, olhando à distância, percebo que não foram os momentos das prendas que mais me marcaram. O que eu realmente gostava  era do "trabalho" envolvente. Havia um ritual, pois claro. O meu pai, caçador, saía num fim de semana, no inicio de Dezembro, para uma caçada especial. Uns bons fins de semana antes já nós, a criançada, perguntávamos constantemente "é neste? é neste?". Nós queríamos era que viesse o fim de semana em que da caçada vinham coelhos, lebres e Pinheiros!! Finalmente vinha O Fim de Semana. Os homens juntavam a tralha toda nas carrinhas, os cães nos atrelados, o farnel, e estavam quase tanto ou mais extasiados que nós. Pudera. Um fim de semana de caçada era uma coisa das boas!! As mulheres e os filhos juntavam-se para os ver preparar tudo, e para os miúdos a despedida era feita ali, porque eles partiam de madrugada. Depois era a espera. Quando começava a anoitecer no dia da chegada da caçada, corríamos alegremente pelo pátio, sempre à espera de ver chegar as luzes das carrinhas em fila, e a "fazer fumo" com a respiração para passar o tempo. Os homens chegavam e era uma mistura de cheiros que ainda consigo sentir. Para mim os cheiros são muito importantes. Cheirava à caça, aos cães, à comida nos sacos, e cheirava a pinheiro. E nós a apostar que o nosso pai é que tinha a melhor pontaria, por isso o nosso pinheiro seria de certeza o mais bonito! O cheiro do pinheiro invadia a casa e era simplesmente delicioso! Durante o fim de semana, com as mães, ou mais tarde, e já mais velhos, em grupos de amigos, tinha-se apanhado o musgo. O musgo era farto, parecia veludo apanhado em grandes postas, verde escuro, a cheirar a terra húmida. Depois, no dia seguinte, no fim da escola, chegava o grande momento: fazer o presépio. E aquilo era uma obra de arte. A minha mãe escolhia o lugar, geralmente perto de uma janela ou porta de vidro, para que da rua se vissem as luzes coloridas. Que pena estarem fora de moda as luzes azuis, vermelhas, verdes e amarelas!! A árvore era colocada num grande vaso cheio de areia, e o pinheiro ficava sempre torto. Ora se era um verdadeiro pinheiro, assim teria de ser! À volta forrava-se o chão, espalhava-se o musgo, colocavam-se as figuras nos lugares: e havia a família do menino Jesus, os pastores, as ovelhas, burros e vacas, toda uma aldeia com casas e até uma igreja e um moinho. Fazíamos os caminhos em areia, havia sempre uma tigela forrada de prata a fazer de lago, a respectiva ponte, e patos pesados de mais para ficarem a boiar na água! Os reis magos faziam uma verdadeira caminhada, e era com expectativa que os íamos aproximando do menino Jesus, pois significava que se aproximava a grande Noite. A véspera era cheia de confusão, na entrega das prendas aos familiares que não passavam a noite connosco, primos e primas, tios e tias, afilhados... em casa cheirava a fritos, a velhoses de abóbora, que eu adoro, a braseira na mesa de camilha. Havia sempre muita confusão, muitos risos, tanta alegria. Nunca aceitei muito bem o facto de a cada ano ir diminuindo o número de pessoas à mesa, a desistência de se passar o Natal todos juntos. Doeu-me a falta de importância que davam ao facto, e acho que isso me custou mais a mim que a qualquer um, não sei porquê. E lá continuei eu, sempre a tentar que a casa ficasse cheia nessa altura, com outros familiares, com amigos e afins recentes. Devo ser muito lamechas, eu sei, mas parece que me sentia mais quente assim. O que eu sempre gostei das confusões destes dias. Por isso, doeu-me fisicamente quando pela primeira vez, já com 30 anos, tive que deixar de almoçar no Dia de Natal com os meus pais, avós, tios, primos, mano e cunhada. Lá está, lamechas, picuinhas, eu sei... mas que é que querem, eu sou assim! É só uma refeição, e deixa lá, e que parvoíce... pois, mas não é. Para mim é uma coisa muito séria sim senhora... mas não me compreendem, nem tentam.

 

Este ano, como nos outros, senti a nostalgia dos cheiros. Não se consegue voltar ao passado e tentar revivê-lo é muito difícil. Mas deu-me vontade de fazer o presépio com o meu filho. Queria que daqui a muitos anos ele também sentisse uma saudade boa da sua infância nesta quadra. Mas depois, vi que afinal não é fácil encontrar o musgo, a árvore é de plástico, o marido achou um disparate eu ter gasto 5€ com um mini presépio, apenas com as 3 figuras principais, que eu não ia deixar o menino Jesus passar mais um ano órfão de mãe e pai e o meu filho a pensar que a vaca e a ovelha é que olhavam pela criança naquela noite!! Concluindo, não é fácil, e eu, estupidamente, desisti antes de sequer ter tentado fazer.

 

Convenço-me interiormente que para o ano é que é. Para o ano vou ao musgo com o pipoca, e se não o encontrar a casa há-de cheirar a terra húmida, nem que seja com a mesma, propriamente dita! Havemos de ter, nem que seja, ao menos, um pastor! E não é má ideia plantar alguns pinheiros nas traseiras. Pronto, já aqueci mais um bocadinho cá dentro, só de imaginar o bem que me vai cheirar o Natal... para o ano...

tags:
publicado por Antes assim... às 10:43

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 13 de Dezembro de 2010

A VIDA NÃO É FÁCIL...

...quem disse que era? Se alguém o disse, devia ter bebido um copo a mais. Ou estava embriagado de paixão. Viver é difícil, para todos. Por isso, cada qual vai desenrolando o seu rol de penas, vai carpindo as mágoas, vai pensando no que podia ou devia ter feito e não fez... no que acha que devia mudar e não muda. Mas pesando bem, se uma pessoa não tivesse nada que lhe dificultasse o seu viver, às tantas, viver não tinha tanta importância. É por isso que não consigo perceber como é que alguém tem coragem para acabar com a própria vida, seja lá por que razão tenha sido. É por isso que me sinto tão egoísta e idiota quando em momentos de desespero interior penso que seria melhor desaparecer... e depois arrenpendo-me de o desejar. De pensar que se fosse assim "de levezinho" seria melhor para todos. Não que fosse eu a fazê-lo porque, como disse, não teria coragem, mas que acontecesse... E depois, só depois, vejo o quão estúpido é aquilo que penso. Lá está. Uma pessoa não se embriaga só de álcool. Eu cá preferia andar sempre embriagada de paixão, mas às vezes a vista fica turva... mas é das lágrimas. E fico embriagada de tristeza. E é neste estado que penso as coisas mais parvas. Mais valia beber um bom champanhe!!

 

Viver é bom. Cheirar o cabelo do meu filho equivale a anos de vida. Assim como vê-lo sorrir, crescer, aprender, ensinar-me, brincar! Viver para mim é sentir o cheiro da terra molhada, olhar o lume na lareira, ficar paralisada a olhar para as luzes da árvore de Natal e viajar no tempo para trás, sair para a rua num bom dia de nevoeiro. Tudo isto me faz sentir viva. E há dias em que preciso de levar assim um abanão e sentir qualquer destas pequenas coisas, para pensar o quanto é bom estar viva para as poder sentir.

 

Hoje estava um belo dia de nevoeiro. O meu filhote foi elogiado na escolinha, porque lá comporta-se como "um pequeno homenzinho", palavras da professora. A tristeza foi engolida, e ficou lá bem no fundinho. Eu sinto-a, mas mando-a passear. Eu sou mais eu quando a domino. Que se lixe a tristeza e tudo o que a causa. E é assim, agarradinha com muita força às pequenas coisas que me fazem sentir viva que eu estou a viver. É que nunca se sabe quando dá uma "sulipampa" a uma pessoa!!

 

 

tags:
publicado por Antes assim... às 22:11

link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Terça-feira, 7 de Dezembro de 2010

DIFERENÇAS... OU COMPLEMENTOS!

No carro do marido ouvimos a Cidade FM.

Na minha carrinha ouvimos M80.

 

tags:
publicado por Antes assim... às 17:05

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

BIRRAS... COISA MAI LINDA!!

Tenho um adolescente de 3 anos em casa!

Ora o menino amua. E amua muito!! Ora porque disse o que ele não queria ouvir, ora porque o mandei estar quieto um segundo (coisa que constatei ser realmente impossível), ora porque quer ver o Ruca 5o mil vezes seguidas... amua. Amua, grita, ralha, bate com as portas (sim, leram bem, BATE COM AS PORTAS), ameaça-nos com uns sentidos: "Vóu pó meu tuáto", "Tou muito chatiado tum a mãe.", "Tou a fitár nuvoujo."

Ora bem, tais comportamentos têm as suas consequencias, evidentemente. Mas o que eu esperava era um resultado mais rápido das palmadas ou dos castigos que recebe! E pior... ou não, já não sei, se o ignorar uns minutos, aparece-me muito choroso, com a cara do menino mais infeliz do mundo a dizer: "Ó mãe descupa... eu pometo que póto bem... nunca maix faxo ixo... tu não gostas nada de bater a mim, não é mãe? Mas eu às vezes sou petenino....". E pede-me colo, abraça-me, enche-me de mimos e justifica-se. Ontem, no fim de um belo "esparvão" comigo, ouvi a conversa dele com o pai:

Pai: O que é que se passou filho? Tavas a fazer birra porquê?

Filho: Puque eu teria pôr o chutuáte no ueitinho, e a mãe não me deu ouvidos!

 

Não pude deixar de sorrir, afinal, a criança tinha um belo motivo ara fazer uma birra disparatada.

Agora combinamos uma estratégia anti-birra, e às vezes resulta. Quando vai a entrar na fase alta da birra, sem sequer explicar o que é que quer, peço-lhe para começar do principio. E ele responde, " bem mãe, do pinxipio! Xabes, eu teía....", e às vezes, só às vezes, conseguimos evitar uma birra!

 

As birras, vão passar certo? Ora, a fase seguinte, venha mais fácil se faz favor!! Ah, e antes do rapaz fazer 18 anos, já agora...

publicado por Antes assim... às 17:05

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

.links

.tags

. todas as tags