Lilypie Fourth Birthday tickers

.Eu

.pesquisar

 

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30
31

.Acabado de dizer

. o amor

. Cá por casa é tudo compli...

. Porque viver é mesmo assi...

. Março

. 2011

. PODIA SER DE UM FILME...

. PRENDINHAS DAS BOAS

. A NOSTALGIA DO NATAL

. A VIDA NÃO É FÁCIL...

. BIRRAS... COISA MAI LINDA...

.E já disse tanto...

. Julho 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Free Blog Counter

Segunda-feira, 9 de Agosto de 2010

O QUE PENSA A CABEÇA... E O QUE RESPONDE A BOCA!

Os tios do marido do norte vêm à nossa terra várias vezes. Ficam em casa dos meus sogros, a 1m de carro da minha casa. Nunca lá vão... o marido não fala nisso, quem sou eu para o fazer... Interiormente lamento.

 

Os tios que estão em França estiveram cá no fim de semana. Já cá tinham estado há um mês, e também não foram lá a casa...

 

Este fim de semana fui jantar com o marido. Foi muito bom. O restaurante é lindo e come-se maravilhosamente bem (eu pequei valentemente com umas gambas fritas com risoto de 4 queijos... divinal!). E estes momentos com o marido sabem sempre tão bem.

 

A meio do jantar disse-me que no Domingo ia com o pipoca a casa dos pais, porque estavam cá os tios de França, que queriam ver o menino...

 

A cabeça pensou: Então e porque é que eles não passam lá por casa? Já cá estiveram há um mês e não disseram nada... eu também gostava de os ver. Alias, passei férias em casa deles, seria simpático dizermos-lhes para virem cá a casa!

 

A boca respondeu: Tá...

 

Depois o marido ainda acrescentou alguma conversa fiada, e referiu que havíamos de ir ao Norte, porque há muito tempo que não íamos lá, e os tios estavam sempre a convidar.

 

A cabeça pensou: Será que convidam mesmo? É que já vieram cá "n" vezes e nunca se dignaram a passar lá por casa... porque raio nos querem ver lá? Não me parece que tenham assim tanta vontade de nos ver... ou de me verem, sei lá!

 

A boca, um bocadito mais útil do que uns segundos antes, respondeu: Pois... não sei. Não me sinto assim muito bem... é estranho. Afinal eles vêm cá tantas vezes, nunca dizem nada...

 

O marido refutou: Ah, mas eles perguntam sempre!

 

Eu, a estúpida, perguntei: Perguntam por quem?

 

O marido diz o evidente: Perguntam sempre pelo menino!

 

Eu, em desabafo: Pois, mas eu estou a referir-me a mim. EU... a AA!!!! Certo??

 

Acabamos a conversa ali com um sorriso. Queríamos jantar em paz, e a noite pretendia-se virada para o romantismo, não para a tristeza.

 

Essa veio no dia seguinte...

 

E aí doeu. Doeu como eu não queria que doesse. Almoçávamos os 3 quando o marido atende o telefone. Era a mãe. Convidou-o para ir almoçar com eles. Assim. Na boa. É Domingo, o marido tem um filho, uma mulher, eram horas de almoço já avançadas... e ela pergunta aquilo como se fosse a coisa mais natural do mundo. Agora o mais me irrita, mas é que irrita assim mesmo muito, é que eu fiquei triste. E irrita-me porque não senti raiva. Não fiquei furiosa. Não. Fiquei triste... porque aquele convite não devia ser tão natural para ela... não devia ser recebido e recusado, só porque já estava a almoçar, de forma tão natural por ele... porque devia ser para todos. Porque eu gostava mesmo era que naquele dia fosse normal estarmos todos juntos. Senti-me completamente excluída. Doeu a naturalidade com que assumem a minha inexistência naquela família. Doeu, pronto. E eu preferia não sentir apenas nada... nem raiva, nem muito menos esta pena estúpida em relação a quem cada vez menos o merece!

 

 

tags:
publicado por Antes assim... às 12:18

link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De Rafaela a 9 de Agosto de 2010 às 13:01
:S É bastante complicado este tipo de situaçoes... eu por acaso não sinto esse tipo de exclusão. tenho uma familia fantastica! mas deve doer e doer muto mesmo! Porque não falas? nao deitas cá pra fora o que sentes?

um bj.
De Antes assim... a 9 de Agosto de 2010 às 13:59
Ui... já o fiz, demaisadas vezes até!
Beijinhos
De mamaepedro a 9 de Agosto de 2010 às 13:13
Pois... é mesmo de ficar triste, deve ser complicado para ti, no fundo, não fazeres parte da familia dele, e para ele também não deve ser nada fácil gerir isso, no fundo, "competes" com a mãe dele e isso é uma "guerra" injusta :(
Espero, sinceramente, que no futuro as coisas melhorem...apesar de se perceber a léguas que com aquela mulher deve ser impossivel...

Beijinhos e tenta ignorar certas coisas...
De Antes assim... a 9 de Agosto de 2010 às 13:58
Sabes que mais, em tão poucas palavras conseguiste dizer tudo...
Obrigada, e beijinhos
De mil sorrisos a 9 de Agosto de 2010 às 15:16
Eu fico incomodada também com a passividade do teu marido em relação a isso, mas pronto... Afasta a tristeza, não a mereces!
beijos e mil sorrisos
:o)))
De Antes assim... a 9 de Agosto de 2010 às 15:25
Obrigada amiga... é mesmo isso que tento fazer!
Beijinhos
De Mamã da Núria a 10 de Agosto de 2010 às 17:33
infelizmente passo pelo mesmo com a familia do meu marido e como te compreendo, mas não podes fazer mais nada do que já fizeste, é o teu carma !
Calma e relaxa, esse tipo de gente não merece que te sintas mal por elas.
beijinhos
De Antes assim... a 11 de Agosto de 2010 às 09:08
Que rico carma haveriamos de ter arranjado, não?? mas tens toda a razão, claro... merecer, não merecem é nada!
Beijinhos

Comentar post

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

.links

.tags

. todas as tags